Caldas Novas

Caldas Novas recebe 30 milhões de reais de investimentos em infraestrutura de saneamento

Publicado

em

O valor investido é o maior da história do município e permitirá duplicar o sistema de captação e tratamento de água do DEMAE

Caldas Novas vive uma verdadeira transformação no saneamento básico do Município. A obra de duplicação da Estação de Tratamento de Água (ETA) é exemplo disso. Orçada em R$ 14 milhões, a obra faz parte do programa Caldas Avança, que está investindo R$ 30 milhões em infraestrutura de saneamento na cidade. O cenário atual é resultante do maior montante de recursos individuais já investidos pela administração municipal no setor, desde a instalação do Departamento Municipal de Água e Esgoto (DEMAE), há mais de 28 anos.

Por consequência, as políticas públicas adotadas pela atual administração, vão permitir ao DEMAE dobrar a sua capacidade de captação e de tratamento da água oferecida à população, tornando Caldas Novas, nos próximos meses, na cidade que mais avança na melhoria da qualidade de vida das pessoas, em todo o Estado de Goiás.

Esses significativos investimentos no setor, fazem parte do planejamento estratégico do governo Kleber Marra, que tem como prioridade oferecer mais saúde, mais qualidade de vida e melhores condições socioeconômicas aos cidadãos.

“Nosso principal foco é levar saúde e dignidade para a população, principalmente por meio do saneamento básico. Traçamos metas para universalizar o acesso à água potável e em um futuro bem próximo, esta será a realidade vivenciada pela nossa população. Tudo isso é resultado do trabalho feito com seriedade, sem desperdício de recursos e com respeito ao cidadão. Caldas Novas sempre teve um problema histórico de distribuição de água tratada. Diversos prefeitos passaram e não conseguiram resolver, e a nossa gestão está dando um fim, de uma vez por todas, nesse problema”, afirmou o prefeito Kleber Marra.

 

Comentários do Facebook

Caldas Novas

Parque da Serra de Caldas Novas abre exposição sobre plantas do Cerrado

Publicados

em

Parque Estadual da Serra de Caldas Novas (Pescan) abriu uma exposição de longa duração sobre plantas do Cerrado e polinização

O Parque Estadual da Serra de Caldas Novas (Pescan) abriu uma exposição de longa duração sobre plantas do Cerrado e polinização. A mostra está no museu do parque, que também preparou uma cartilha com ilustrações e informações para ser distribuída aos visitantes.

A exposição e a cartilha são resultado de trabalho realizado em 2019 e 2020, para pesquisar a flora do Pescan. As cartilhas estão em fase de impressão e serão distribuídas ao visitantes, porém a versão on-line já esta disponível para acesso.

“O objetivo é divulgar a rica biodiversidade da flora e os polinizadores presentes no Pescan, destacando a importância desses ecossistemas”, afirma Maurício Vianna Tambellini, servidor da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Goiás (Semad) e chefe do Pescan.

A organização é da pesquisadora Renata Trevizan, aluna de doutorado da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com contribuições de Isabela Batista Ávila (aluna de graduação), do professor Paulo Eugênio Oliveira, de Maurício Tambellini, de Anna Cecília dos Santos de Souza e de Ângela Beatriz Pomatti.

COPAÍBAS

A mostra tem apoio do projeto Copaíbas, coordenado pelo Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), implementado com verba da Agência Norueguesa para Desenvolvimento e Cooperações. A interlocução é feita pelo Ministério de Relações Exteriores da Noruega.

O Funbio, gestor do programa, é uma associação civil sem fins lucrativos, certificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público.

O objetivo do Copaíbas é o de contribuir com a preservação do Cerrado e da Amazônia, por meio de linhas de ações específicas: 1) fortalecimento do sistema de águas protegidas do Cerrado; 2) fortalecimento da gestão territorial dos povos indígenas; 3) melhoria da informação disponível ao público sobre mudanças climáticas e conservação; e 4) aperfeiçoamento da eficiência econômica das cadeias de valor e dos arranjos produtivos locais dos produtos da sociobiodiversidade.

Comentários do Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA