Geral

TRÂNSITO: Senatran lança Antecipa, ferramenta para ajudar na prevenção e redução de acidentes de trânsito

Publicado

em

“Pretendemos oferecer o Antecipa para os municípios interessados de modo a ajudá-los a diminuir a quantidade de sinistros fatais de forma efetiva”, disse o secretário nacional de Trânsito, Adrualdo Catão

 

A inteligência artificial já está a serviço das autoridades de trânsito, e de forma preventiva. Agora, será possível analisar os dados disponíveis sobre uma região e prever locais e horários com maior risco de ocorrer colisões e outros desastres automobilísticos. Trata-se do Antecipa – Tráfego Inteligente, ferramenta lançada pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran) nesta quarta-feira (22).

“Evitar mortes e lesões no trânsito é nosso principal objetivo, motivo pelo qual pretendemos oferecer o Antecipa para os municípios interessados de modo a ajudá-los a diminuir a quantidade de sinistros fatais de forma efetiva”, disse o secretário nacional de Trânsito, Adrualdo Catão, na abertura do 78º Encontro Nacional dos Detran, em Foz do Iguaçu (PR).

A precisão é tanta que os melhores resultados apurados na fase de testes indicaram que, caso estivesse em uso, o Antecipa teria evitado 72% dos acidentes analisados e resultado em economia de até R$ 88.560,00 em gastos relacionados a acidentes.

Como funciona?

• Desenvolvido pela Senatran em parceria com Ambev e Falconi, o mecanismo permitirá um melhor planejamento viário de acordo com um mapeamento dinâmico de áreas de alto risco em municípios e rodovias que utilizarem a tecnologia;
• Tendo por base o Registro Nacional de Sinistros e Estatísticas de Trânsito (Renaest), o Antecipa é capaz de analisar uma imensa quantidade de dados de modo a oferecer uma previsão de locais e horários nos quais existe uma tendência maior de ocorrer acidentes;
• Essa análise é ainda mais precisa pelo uso de algoritmos de machine learning, que dá aos computadores a capacidade de identificar padrões em dados massivos e fazer previsões;
• O uso dessa inteligência artificial permite também cruzamento com dados de órgãos ou entidades de trânsito locais, oferecendo previsões ainda mais acuradas;
• A ferramenta será de uso exclusivo de gestores de trânsito e funciona de forma simples: basta o preenchimento de um breve questionário, que inclui dados como data, horário e ocorrência de algum evento atípico no município (jogos de futebol, show, conferências, etc) assim como previsão climática para o dia pesquisado;
• Feita a consulta, o programa oferece um mapa divido em grids, com detalhamento das áreas de baixo e de alto risco de ocorrerem acidentes.

Fase de testes

Para testar a ferramenta, a Senatran escolheu dois municípios de grande porte – São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG) – e uma rodovia federal com características urbanas – a BR-230/PB, especialmente um trecho de 100 quilômetros que atravessa o perímetro urbano de João Pessoa. Os resultados obtidos no período de testes não só permitiram a comprovação da eficácia do instrumento como também renderam uma série de dados valiosos para uma elhor gestão do trânsito.

Na capital paulista, a análise dos dados apontou sábado como o dia de maior número de sinistros, especialmente no período noturno e envolvendo pessoas do gênero masculino – que são a maioria dos condutores. O ano de 2021 teve a maior incidência das colisões analisadas. A maior parte das lesões foram classificadas como leves. Quanto à faixa etária, prevalência dos 18 aos 24 anos – constatou-se que tendência de redução de sinistros quanto maior a idade dos condutores.

Já em Belo Horizonte, predominaram acidentes sem lesões dos envolvidos. O maior número de ocorrências foi em sextas-feiras, no período vespertino, com maior envolvimento do gênero masculino. Constatou-se tendência de aumento de sinistros nos dias úteis de semana, quando o trânsito geralmente é maior. O ano com maior incidência foi 2019. A faixa dos 35 aos 39 anos foi a que mais se envolveu em ocorrências.

Parceria

Durante o último ano, a parceria entre a Ambev e o Ministério dos Transportes desenvolveu o algoritmo que usa da tecnologia e inovação para garantir um ambiente mais seguro para os cidadãos brasileiros, prevendo possíveis acidentes de trânsito.

“Acreditamos que a parceria entre setor público e privado é muito importante para desenvolver políticas públicas que ajudem a sociedade por meio de inovações tecnológicas e projetos que buscam proporcionar um ambiente urbano que promova o desenvolvimento. Essa nova ferramenta vai tornar o trânsito em um lugar mais seguro para todos os cidadãos”, disse o diretor de Relações Institucionais da Ambev, Rodrigo Moccia.

Troca de experiências

Com uma programação ampla, o Encontro Nacional dos Detrans busca promover um amplo debate sobre o trânsito por meio de painéis, cursos, palestras e fóruns. O evento permite a troca de experiências ao reunir diretores dos Departamentos de Trânsito de todo o país, autoridades locais, técnicos e colaboradores de setores que atuam com políticas públicas voltadas ao trânsito.

Comentários do Facebook

Geral

PF cumpre mandados contra suspeitos de comércio de mel falso

Publicados

em

Organização pode ter movimentado até R$ 4 milhões com venda do produto

Cerca de 80 policiais federais participam de ação deflagrada na manhã desta quarta-feira (21), em Minas Gerais, para desarticular uma organização criminosa suspeita de movimentar, cerca de R$ 4 milhões com a venda de mel falsificado no ano passado.

Dezesseis mandados de busca e apreensão expedidos pela Subseção Judiciária Federal de Poços de Caldas (MG) estão sendo cumpridos na cidade de Campestre, no sul mineiro, a cerca de 40 quilômetros de Varginha (MG).

Em nota, a PF informou que a Operação Xarope II é fruto de investigações iniciadas em 2021. Na ocasião, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 18,4 milhões em bens patrimoniais dos investigados e autorizou o cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão em Campestre e Poços de Caldas.

De acordo com a PF, os investigados usavam açúcar invertido – uma espécie de xarope de açúcar – para produzir mel. As investigações mostram que compravam o quilo do xarope por R$ 3 e o adicionavam ao produto, que era vendido como mel puro por até R$ 60, em Minas Gerais e São Paulo.

Para enganar os consumidores, o grupo falsificava o registro do Sistema de Inspeção Federal (SIF) e chegava a acrescentar favos de mel verdadeiros em algumas embalagens. Segundo a PF, todo o processo era feito em condições precárias de higiene.

A ação tem o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar Rodoviária de Minas Gerais.

Credibilidade

Segundo a Superintendência da PF em Minas Gerais, a adulteração de mel é recorrente na região sul do estado. O presidente da Confederação Brasileira de Apicultura e Meliponicultura (CBA), Sérgio Luiz Gonçalves Farias, disse à Agência Brasil que o problema não se refere apenas ao estado, e exige fiscalização mais rigorosa por parte do Poder Público.

“Nós, do setor, vemos ações como a de hoje com bons olhos. Porque a falsificação de mel, aqui no Brasil, é muito grande, e a apicultura sofre muito com isso”, afirmou Farias, destacando que as fraudes afetam a credibilidade do trabalho de mais de 350 mil criadores de abelhas e produtores de mel em todo o país.

“A produção é muito grande. Os marginais, as pessoas gananciosas, enxergam nisto um grande potencial, já que a falsificação do mel é um processo muito simples. Basicamente, basta colocar açúcar e essências ou aromatizantes a um pouco de mel puro para fazer um melaço”, acrescentou Farias. Ele acrescentou que, além das falsificações grosseiras, há também aspectos comerciais legais que, segundo ele, precisam ser regulamentados.

“Há, também, uma outra questão que afeta o setor que são as empresas que informam que alguns de seus produtos contém mel quando, na realidade, muitas vezes, há uma porcentagem muito pequena de mel e quando não, um produto chamado preparado de mel”, disse o presidente da entidade.

“Os dois aspectos resultam em certo descrédito dos consumidores, que ao comprar mel, a primeira coisa que perguntam é se o produto é verdadeiro. A ação desses indivíduos e empresas que entulham o mercado com produtos de má qualidade causam impacto psicológico, o que leva parte da população a duvidar da procedência do mel”, destacou Farias. Ele comentou já ter visto mel de Jataí, cujo litro pode custar entre R$ 300 e R$ 400, sendo vendido por R$ 20.

“Isso, por si só, é indício das falsificações grosseiras que ocorrem em todos as unidades da federação e que podem até prejudicar a saúde dos consumidores”, alertou Farias. Segundo ele, o consumidor final pouco pode fazer para não ser enganado. “Procure comprar de fontes seguras, de apicultores locais que você já conheça e cujos produtos tenham o selo de inspeção dos órgãos responsáveis e de estabelecimentos confiáveis”, recomendou.

Comentários do Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA