Geral

Governo de Goiás e representantes da Estônia buscam parcerias para impulsionar transformação digital no serviço público

Publicado

em

Representantes do setor público estoniano apresentaram o modelo de excelência no uso da tecnologia adotado no país e firmaram termo de cooperação com o Estado

O Governo de Goiás recebeu representantes da Estônia em uma reunião voltada para fortalecer laços e promover parcerias inovadoras no campo da transformação digital. O encontro, que ocorreu no Palácio Pedro Ludovico Teixeira, nesta quinta-feira (23/11), foi coordenado pelo vice-governador Daniel Vilela e teve como principal objetivo discutir iniciativas conjuntas que impulsionarão a modernização dos serviços públicos.

A Estônia, conhecida por sua expertise em tecnologia e inovação, foi representada pelo vice-prefeito da cidade de Tartu, Raimond Tamm, que compartilhou experiências e apontou oportunidades de colaboração com Goiás. Durante as conversas, foram discutidos pontos estratégicos de governança, com destaque para a implementação de soluções tecnológicas que melhorem a eficiência e a acessibilidade dos serviços públicos.

Representantes da Estônia e do Governo de Goiás realizam aproximação. Objetivo é buscar parcerias que impulsionem a modernização dos serviços públicos

Representantes da Estônia e do Governo de Goiás realizam aproximação. Objetivo é buscar parcerias que impulsionem a modernização dos serviços públicos

O vice-governador destacou que a reunião de trabalho foi o primeiro passo para uma importante parceria e ações de colaboração entre Goiás e a Estônia. “Sou um conhecedor da história que coloca aquele país em destaque no uso da tecnologia, e estamos entusiasmados em receber o Raimond Tamm, que demonstrou como a oferta de serviços digitais é avançada. Acreditamos que uma colaboração trará benefícios significativos para os cidadãos goianos”, apontou.

Daniel Vilela lembrou ainda que na atual gestão, Goiás passou a ocupar a segunda colocação no ranking dos estados brasileiros mais digitais, e que isso vai facilitar a troca de conhecimento com a Estônia. “Queremos avançar em uma parceria e em acordo de cooperação. Temos total interesse e temos muita coisa boa que Goiás já colocou em prática e pode contribuir”, declarou.

Futuro
Como exemplo do nível de digitalização da Estônia, Raimond Tamm, relatou que o país não usa papel nas repartições públicas há mais de 20 anos e que todas as informações dos cidadãos são armazenadas desde o seu nascimento. Segundo ele, todo esse avanço é fruto de uma visão de futuro. “O mais importante é a educação para as novas gerações. É isso que faz caminhar os projetos de digitalização. Esse modelo temos orgulho em apresentar e nos colocar à disposição para colaborar com outras nações”, apontou.

A aplicação da tecnologia na vida dos estonianos foi apresentada pela Estônia Hub – consultoria que atua junto aos estados como interlocutor na implementação de colaboração com outros países. O CEO da instituição, Raphael Fassoni, explicou que os infosistemas usados atingiram a excelência e que é possível traçar paralelos com Goiás para haver parcerias frutíferas. “Na Estônia a tecnologia é o meio facilitador para qualidade de vida, e não temos dúvidas que há meios de trazer experiências para Goiás”, disse.

Presente na reunião, o secretário de Estado da Administração, Francisco Sérvulo, disse acreditar que a “troca de conhecimento e experiência será benéfica para ambas as partes”. O secretário-geral de Governo, Adriano Rocha Lima, também reafirmou o interesse em conhecer o modelo de plataformas online que facilitam o acesso da população aos serviços governamentais utilizado pela Estônia. A promoção de projetos de formação e qualificação na segurança digital, foi tratada pelo secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, José Frederico Netto. As aplicações da digitalização de serviços que gerem o bem-estar também foi acompanhada pelo secretário estadual de Saúde, Sérgio Vencio.

Foi estabelecido um canal de comunicação entre os representantes do Governo de Goiás e os representantes da Estônia, que expressaram otimismo em relação à parceria. A expectativa é que em breve seja assinado um termo de cooperação entre o país e o estado, visando impulsionar a transformação digital no setor público.

Foto: Jota Eurípedes / Vice-governadoria – Governo de Goiás

Comentários do Facebook

Geral

PF cumpre mandados contra suspeitos de comércio de mel falso

Publicados

em

Organização pode ter movimentado até R$ 4 milhões com venda do produto

Cerca de 80 policiais federais participam de ação deflagrada na manhã desta quarta-feira (21), em Minas Gerais, para desarticular uma organização criminosa suspeita de movimentar, cerca de R$ 4 milhões com a venda de mel falsificado no ano passado.

Dezesseis mandados de busca e apreensão expedidos pela Subseção Judiciária Federal de Poços de Caldas (MG) estão sendo cumpridos na cidade de Campestre, no sul mineiro, a cerca de 40 quilômetros de Varginha (MG).

Em nota, a PF informou que a Operação Xarope II é fruto de investigações iniciadas em 2021. Na ocasião, a Justiça determinou o bloqueio de R$ 18,4 milhões em bens patrimoniais dos investigados e autorizou o cumprimento de 14 mandados de busca e apreensão em Campestre e Poços de Caldas.

De acordo com a PF, os investigados usavam açúcar invertido – uma espécie de xarope de açúcar – para produzir mel. As investigações mostram que compravam o quilo do xarope por R$ 3 e o adicionavam ao produto, que era vendido como mel puro por até R$ 60, em Minas Gerais e São Paulo.

Para enganar os consumidores, o grupo falsificava o registro do Sistema de Inspeção Federal (SIF) e chegava a acrescentar favos de mel verdadeiros em algumas embalagens. Segundo a PF, todo o processo era feito em condições precárias de higiene.

A ação tem o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Militar Rodoviária de Minas Gerais.

Credibilidade

Segundo a Superintendência da PF em Minas Gerais, a adulteração de mel é recorrente na região sul do estado. O presidente da Confederação Brasileira de Apicultura e Meliponicultura (CBA), Sérgio Luiz Gonçalves Farias, disse à Agência Brasil que o problema não se refere apenas ao estado, e exige fiscalização mais rigorosa por parte do Poder Público.

“Nós, do setor, vemos ações como a de hoje com bons olhos. Porque a falsificação de mel, aqui no Brasil, é muito grande, e a apicultura sofre muito com isso”, afirmou Farias, destacando que as fraudes afetam a credibilidade do trabalho de mais de 350 mil criadores de abelhas e produtores de mel em todo o país.

“A produção é muito grande. Os marginais, as pessoas gananciosas, enxergam nisto um grande potencial, já que a falsificação do mel é um processo muito simples. Basicamente, basta colocar açúcar e essências ou aromatizantes a um pouco de mel puro para fazer um melaço”, acrescentou Farias. Ele acrescentou que, além das falsificações grosseiras, há também aspectos comerciais legais que, segundo ele, precisam ser regulamentados.

“Há, também, uma outra questão que afeta o setor que são as empresas que informam que alguns de seus produtos contém mel quando, na realidade, muitas vezes, há uma porcentagem muito pequena de mel e quando não, um produto chamado preparado de mel”, disse o presidente da entidade.

“Os dois aspectos resultam em certo descrédito dos consumidores, que ao comprar mel, a primeira coisa que perguntam é se o produto é verdadeiro. A ação desses indivíduos e empresas que entulham o mercado com produtos de má qualidade causam impacto psicológico, o que leva parte da população a duvidar da procedência do mel”, destacou Farias. Ele comentou já ter visto mel de Jataí, cujo litro pode custar entre R$ 300 e R$ 400, sendo vendido por R$ 20.

“Isso, por si só, é indício das falsificações grosseiras que ocorrem em todos as unidades da federação e que podem até prejudicar a saúde dos consumidores”, alertou Farias. Segundo ele, o consumidor final pouco pode fazer para não ser enganado. “Procure comprar de fontes seguras, de apicultores locais que você já conheça e cujos produtos tenham o selo de inspeção dos órgãos responsáveis e de estabelecimentos confiáveis”, recomendou.

Comentários do Facebook
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA